Informações básicas e úteis sobre o E social para seu RH

Estabelecido pelo decreto 8.373 de 2014, o E Social é um sistema digital de escrituração fiscal que armazena informações previdenciárias, fiscais e trabalhistas de funcionários. Sua finalidade é facilitar as informações profissionais e dados de contribuição.

Dessa forma, o governo federal busca atualizar, modernizar e agilizar processos de forma a simplificar o trabalho para empresas e também trabalhadores. O RH das empresas no país devem estar em dia com o E Social, e precisam entender como ele funciona e orientar os funcionários para garantir a atualização das informações e operante em todas empresas.

Veja neste artigo, quais as obrigatoriedades que o RH precisa estar ciente e atuante e quais as datas e valores para o E Social estar ativo em todas empresas do território brasileiro.

80% das obrigações acessórias serão extintas

Geralmente, as empresas precisam informar suas obrigações trabalhistas para vários órgãos, além de manter documentado em pastas e relacionado em programas. O E Social surgiu para informatizar tudo de forma a todas as informações ficarem determinadas em apenas um único lugar. Foram extintos:

  • Folha de pagamento;
  • Livro de Registro de Empregado;
  • Guia de Recolhimento do FGTS (GFIP);
  • Cadastro Geral de Empregados e Desempregados (CAGED);
  • Relação Anual de Informações Sociais (RAIS);
  • Perfil Profissiográfico Previdenciário (PPP);
  • Declaração do Imposto de Renda Retido na Fonte (DIRF);
  • Arquivos Eletrônicos entregues à fiscalização (MANAD);
  • Termo de Rescisão e Formulário do Seguro Desemprego;
  • Comunicação de Acidente de Trabalho (CAT).

Dessa forma, as empresas terão apenas uma única preocupação e além disso, haverá menos custos, terá mais economia de tempo e mais confiabilidade nos processos e nas informações.

Fases do E Social

O E Social é um decreto criado em 2014, porém apenas em 2015 ele começou a operar, inicialmente para trabalhadores domésticos. Ao longo dos anos, o E Social foi sendo adaptado e modificado para tornar o sistema cada vez melhor e mais simplificado, e em janeiro de 2018, começou a obrigatoriedade entre as empresas.

Com faturamento igual ou superior a 78 milhões de reais, essas empresas tiveram a obrigação de informar todos dados até 1º de julho de 2018 e até janeiro de 2019 todos órgãos públicos deverão estar estabelecidos e ativos pelo E Social. Quando concluído, o E Social terá informações de mais de 44 milhões de trabalhadores no país, num único sistema.

Custos e multas

 

O E Social não tem custo para as empresas, porém elas devem estar atentas as datas e fases de implementação do sistema, já que a não informação de funcionários, desencadeará em multas que podem variar entre 402,53 reais e 805,06, podendo esses valores serem acrescidos de outras taxas e duplicados, caso a empresa não informe corretamente os dados dos empregados admitidos.

Orientação e paciência

O maior desafio do RH das empresas, em especial as de grande porte, é conseguir atualizar as informações de forma rápida, além de conseguir atenção de toda corporação quanto as obrigatoriedades da lei que agora o E Social exige.

É fundamental que o RH faça palestras de orientação e informe todos os departamentos sobre a importância de ter os dados atualizados e informados no sistema, pois isso irá economizar tempo, dinheiro e simplificar a vida da empresa e principalmente do trabalhador dentro e fora da empresa.

Obtendo mais conhecimento sobre E social

O E Social é um sistema novo e ainda em implementação, porém é indiscutivelmente um facilitador entre o governo, empresas e empregados, para que a burocracia antes tão comum acabe e os custos sejam menores, para um país que tem muito futuro.

Por isso é importante que profissionais da área financeira e Recursos Humanos, tenha conhecimento sobre o E Social, buscando cursos online gratuitos, que forneçam todas as informações necessárias e tenha certificação, para qualificação e um diferencial dentro da carreira.